Skincare

De uns tempos para cá, houve um boom no mercado de cosméticos orgânicos e naturais. A promessa é de que até 2015, o segmento movimente UR$ 25,1 bilhões no mundo, aponta uma pesquisa feita pela consultoria americana Grand View Research, em 2017. Entre os mais de 30 países avaliados, adivinhe? O Brasil foi destaque na América Latina. O aumento e a procura por este tipo de cosmético advém de motivos como preocupação com o meio ambiente, com os animais e com a própria saúde.

Mas você sabe o que faz um cosmético ser classificado como orgânico? Conhece as diferenças entre os tipos de produtos? Sim, porque orgânicos e naturais não são a mesma coisa. Para te ajudar a entender essas diferenças, preparamos um pequeno guia. Confira!

Cosméticos Convencionais: são formulados com ingredientes artificiais, não precisam de certificação ambiental e são passíveis a testes em animais. Eles dominam as gôndulas dos supermercados e farmácias, e são facilmente encontrados em lojas de cosméticos, catálogos de marcas famosas e grandes redes. Provavelmente você usa ou já usou algum deles. Mas o que nem todo mundo sabe é que eles contêm substâncias químicas nocivas à saúde e ao meio ambiente, como formaldeídos, parabenos, sintéticos, triclosan, chumbo, laurel, petrolatos (derivado do petróleo), entre outros. Estudos recentes publicados em renomados periódicos internacionais, (como Journal of Pharmacy and Pharmacology, Environmental Medicine, Institute of Pharmacology Polish Academy of Sciences e Polish Archive of Internal Medicine) comprovam que esses ingredientes são tóxicos para o organismo e que podem causar reações alérgicas e outros problemas de saúde. Veja Lista do Mal para ficar alerta antes de comprar qualquer produto.

Cosméticos Orgânicos: todos precisam ter ingredientes naturais originários de culturas orgânicas e biodinâmicas. Ou seja, todo cosmético orgânico possui componentes naturais, mas nem todo cosmético natural contém ingredientes orgânicos. De acordo com as certificadoras IBD e Ecocert, a porcentagem mínima de matérias-primas certificadas como orgânicas deve ser de 95%. E 5% oriundas de água ou outros ingredientes naturais. Além disso, todo o processo de produção deve ser sustentável, os produtos não devem ser testados em animais e nem conter espécies de frutas ou flores em extinção. Mas atenção: o que garante um produto ser orgânico é o selo em seu rótulo.

Cosméticos Naturais: são os que apresentam, no mínimo, 95% de ingredientes naturais, e 5% de substâncias sintética, segundo a Ecocert – certificadora francesa. Os cosméticos naturais também podem ter entre 5% a 70% de componentes orgânicos. Também não podem conter conservantes sintéticos, derivados de petróleo e nem podem ser testados em animais. Precisam ter certificação de órgãos como IBD (Instituto Biodinâmico) e o Ecocert.

Cosméticos Veganos: não podem conter ingredientes de origem animal, como mel, leite, cera de abelha, lanolina ou colágeno. Por outro lado, podem incluir materiais sintéticos, assim com os cosméticos naturais podem conter matéria-prima de origem animal. Também não devem passar por testes em animais. Muitos podem ser identificados por meio de selos como o Cruelty Free o Certified Vegan.